Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Notícias \ Notícia

INFÂNCIA: MAUS-TRATOS causam ANOMALIAS no CÉREBRO

Por: Prof. Marcus Renato de Carvalho, IBCLC

 /

Maus-tratos na infância são associados

a anomalias na substância cinza do cérebro

20/06/2014

 

                         Segundo a Organização Mundial da Saúde, os maus-tratos infantis são definidos como os abusos dos quais são objeto os menores de 18 anos no contexto de uma relação de responsabilidade, confiança ou poder, e incluem abuso sexual, desatenção, negligência ou exploração comercial que possam causar um dano à saúde, ao desenvolvimento ou à dignidade do menino.

Até o momento, os resultados dos estudos de neuroimagem estrutural realizados foram inconsistentes. Um novo trabalho, publicado no American Journal of Psychiatry e levado a cabo por especialistas do King's College de Londres e a Fundação para a Pesquisa e a Docência (FIDMAG) das Irmãs Hospitalares, proporciona novos dados.

“Os maus-tratos durante a infância atuam como um estressor grave e produzem uma cascata de mudanças fisiológicas e neurobiológicas que poderiam provocar alterações permanentes da estrutura cerebral”, explica à Sinc Joaquim Radua, investigador da FIDMAG e do centro britânico e único autor espanhol do trabalho.

Para compreender quais são as anomalias mais robustas no volume de substância cinza, a equipe pesquisadora, da que também faz parte a Universidade Nacional de Singapura, realizou uma metanálise dos estudos de morfometria baseada em voxel (VBM) sobre os maus-tratos infantis.  

A VBM é uma técnica de análise em neuroimagem que permite investigar diferenças focais na anatomia do cérebro comparando as ressonâncias magnéticas cerebrais de dois grupos de pessoas.

O estudo incluiu doze conjuntos diferentes de dados que compreendiam um total de 331 indivíduos (56 meninos ou adolescentes e 275 adultos) com história de maus-tratos na infância, mais 362 sujeitos não maltratados (56 meninos ou adolescentes e 306 adultos).

Para examinar as regiões cerebrais com menor ou com maior volume de substância cinza nos indivíduos maltratados, usou-se um método metanalítico de neuroimagem tridimensional chamado 'signed differential mapping' (SDM), desenvolvido expressamente por Radua.

 

Anomalias não relacionadas com a medicação

Em comparação com os sujeitos não maltratados, os indivíduos expostos a maus-tratos infantis tinham um volume significativamente menor de substância cinza em várias zonas do cérebro: o giro orbitofrontal e temporal superior direito que se estendia à amídala, a ínsula e os giros parahipocampal e temporal médio, bem como nos giros frontal inferior e pós-central esquerdos.

“Os déficits nas regiões orbitofrontal-temporal-límbica direita e frontal inferior esquerda também se observaram quando apenas eram incluídos participantes não medicados, indicando que estas anomalias não estavam relacionadas com a medicação a não ser com os maus-tratos”, aponta Radua.

Pelo contrário, o especialista espanhol destaca que as anomalias no giro pós-central esquerdo apenas se observaram nos indivíduos maltratados de maior idade. Estes achados demonstram que as anomalias de substância cinza mais consistentes em indivíduos expostos a maus-tratos infantis se encontram nas regiões pré-frontal, ventrolateral e límbica-temporal.

Estas regiões têm um desenvolvimento relativamente tardio, quer dizer, depois dos maus-tratos, e sua disfunção poderia explicar o déficit afetivo e cognitivo que podem sofrer as pessoas com história de maus-tratos infantis.

“Estes dados mostram as graves consequências das adversidades ambientais infantis no desenvolvimento cerebral”, acrescenta Radua. “Esperamos que os resultados deste estudo ajudem a minimizar o risco ambiental na infância e a desenvolver tratamentos para normalizar estas alterações morfológicas”, conclui.

 

Bibliografía

Lena Lim, Joaquim Radua, Katya Rubia. “Gray Matter Abnormalities in Childhood Maltreatment: A Voxel-Wise Meta-Analysis”. Am J Psychiatry; in press.

 

Fonte: Agencia Sinc Copyright 2014 Medcenter. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a republicação, redistribuição, propagação ou disseminação do Conteúdo do Medcenter sem a prévia autorização por escrito do Medcenter.

 

 


Última atualização: 27/6/2014

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
23 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital