Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Cuidado Paterno \ Homem \ Artigo

FACULDADE de MEDICINA e UFRJ reconhecem a questão da PATERNIDADE

Por: Boletins: Olhar Virtual e Medicina on line

       

  Ponto de Vista      
 10.08.2004  
           
 Pelo Direito à Paternidade!        
 Luana Monçores       
  
       
 

É só chegar uma data comemorativa que somos atropelados por sedutoras propagandas nos instigando ao consumo. O Dia dos Pais não poderia ser diferente. Mas a questão é: será que estas publicidades não estão desvalorizando a imagem da relação pai e filho?
O médico pediatra e professor Marcus Renato de Carvalho, da Faculdade de Medicina da UFRJ, é grande defensor do direito à paternidade. Um dos organizadores da Campanha de Valorização do Cuidado Paterno, que tem por objetivo resgatar a essência da função do pai na relação com o filho, sente na própria pele o drama da limitação das leis que impede uma maior intervenção na vida dos filhos, quando não se tem a guarda deles. Através de projetos como este, Marcus busca, com outros docentes e pesquisadores, mudar esta imagem do “pai como visita”, diz ele. Em contraponto ao dia do pai, a campanha propõe criar o Dia da Paternidade, amenizando o caráter comercial da data. “Não vendemos produtos e nem serviços, mas a campanha atingiu a mídia, conseguimos competir com ela, levando esta essência do dia dos pais”, conta o pediatra. Outro ponto em discussão nas campanhas é o tema da guarda compartilhada.
A sociedade que antes deixava ao encargo da mãe a criação das crianças, e ao pai reservava o papel de provedor material, hoje vive mudança de valores. A mulher participa ativamente do mercado de trabalho, e divide com os homens responsabilidades domésticas e financeiras. “A gente quer que a sociedade se conscientize do crescimento do bebê. A criação de um vínculo, de um comprometimento com a criança torna o homem mais terno, e isto é bom para a sociedade e para ele como pessoa”, explica o médico.
Marcus Renato fala que algumas pesquisas realizadas na Nova Zelândia e nos Estados Unidos mostram que a ausência da figura paterna causa uma sexualização precoce, e maior índice de gravidez na adolescência. A figura do pai representa os limites, tão necessários aos jovens neste período de suas vidas.
A Constituição de 1988 trouxe poucas novidades neste tema, como por exemplo, concedeu ao pai cinco dias de licença paternidade. E atualmente, há uma mudança na lei, na qual o pai não é mais considerado uma visita nos hospitais e clínicas, possuindo o direito de acompanhar a grávida nas várias etapas da gestação, até mesmo na hora do parto.
O trabalho de prevenção é muito importante, e por isso este grupo realiza palestras, fóruns e diversas outras atividades, uma delas em parceria com a Prefeitura do Rio de Janeiro, nas faculdades, escolas e hospitais.
Para saber mais sobre estas atividades e campanhas, visite o site do professor Marcus Renato: www.aleitamento.com, e apóie esta idéia.

Boletim Olhar Virtual - Ed. 50 - UFRJ

 

Pra Refletir
 

Pelo direito à paternidade

Professor do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina, Marcus Renato de Carvalho, levanta bandeira pelo direito à paternidade.
 
 

Médico pediatra e professor do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina, Marcus Renato de Carvalho, além de defensor do aleitamento materno é também do direito à paternidade.

Por agora, participa da organização da Campanha de Valorização do Cuidado Paterno, que tem por objetivo resgatar a essência da função do pai na relação com o (s) filho (s). Marcus Renato sente na própria pele o drama da limitação das leis que impedem mais e maior intervenção na vida dos filhos quando não se tem a guarda deles. Por meio de projetos como este Marcus busca, com outros docentes e pesquisadores, mudar esta imagem do “pai como visita”.

A campanha propõe criar o Dia da Paternidade, um contraponto ao Dia dos Pais (que tem caráter comercial). “Não vendemos produtos e nem serviços, mas a campanha atingiu a mídia, conseguimos competir com ela, levando esta essência do dia dos pais”, conta o professor.

Outro ponto em discussão nas campanhas é o tema da guarda compartilhada. A sociedade, que antes deixava ao encargo da mãe a criação dos filhos e ao pai a função de provedor material, hoje vive mudança de valores: a mulher participa ativamente do mercado de trabalho e divide com o homem responsabilidades domésticas e financeiras, por exemplo.
“A gente quer que a sociedade se conscientize do crescimento do bebê. A criação de um vínculo, de um comprometimento com a criança torna o homem mais terno e isto é bom para a sociedade e para ele como pessoa”, explica Marcus Renato, informando ainda sobre pesquisas realizadas na Nova Zelândia e nos Estados Unidos que mostram que a ausência da figura paterna causa a sexualização precoce e maior índice de gravidez na adolescência. Marcus diz que a figura do pai representa os limites, tão necessários aos jovens neste período de suas vidas, que é a infância e adolescência.
A Constituição de 1988 trouxe poucas novidades neste tema: concedeu ao pai cinco dias de licença paternidade. Atualmente há uma mudança na lei, na qual o pai não é mais considerado uma visita nos hospitais e clínicas, possuindo o direito de acompanhar a grávida nas várias etapas da gestação, até mesmo na hora do parto.

Ainda sobre a campanha, no dia 20/08, está programado a realização do III Fórum de Debates Sobre Paternidade, na Maternidade-Escola da UFRJ, das 8h30 às 17 horas. Para saber mais sobre estas atividades e campanhas, visite o site www.aleitamento.com, mantido pelo professor.
 

MEDICINA ON LINE - Boletim Eletrônico da Faculdade de Medicina da UFRJ

Número 81 - Ano II 13/08/2004

 
 
 
    
     

 

 

 
    

 


Última atualização: 2/3/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital