Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

Homenagem: MÃE de CORPO e ALMA!

Por: Dra. Soraia Drago Menconi

MÃE de CORPO & ALMA

 

SER MÃE DIREITO ADQUIRIDO OU CONQUISTADO ?

   

 

Pensando no conteúdo do artigo a ser escrito, me deparei com várias possibilidades, mas nenhuma delas me atraía. Falar sobre a importância do aleitamento materno, falar sobre as características do leite materno e suas propriedades, falar sobre a influência do aleitamento materno na vida da mãe, do bebê e de sua família, em como o crescimento é melhor, a imunidade, a diminuição de doenças, enfim, uma infinidade de tópicos pertinentes ao tema. Definitivamente nenhum deles me atraía.

Iniciei, então, uma busca interior sobre o que mais me inquietava quando o assunto se referia ao aleitamento materno e parto normal e refleti sobre uma palavra que sempre falamos em cursos, cartazes, textos – É SEU DIREITO, É DIREITO DO SEU BEBÊ. Tendo esta consciência, principalmente agora que estamos próximos ao dia das mães, decidi escrever sobre esse “DIREITO”.

Organizações não Governamentais, Grupos de Estudo, Universidades, o próprio Ministério da Saúde e, confesso, eu mesma como pediatra e apologista do aleitamento materno e da permanência da mãe e bebê juntos, com os familiares próximos, utilizam todos os recursos disponíveis como metodologia Canguru, humanização do parto, humanização em UTIs, alojamento conjunto, casas de parto, enfim, tudo para trazer de volta à mãe e à sua família, o empoderamento e a possibilidade de cuidar de seu filho, com pessoas de sua confiança ao seu redor.  Aí me pergunto, são direitos que devem ser dados às mães e seus bebês ou direitos inerentes aquela família, àquele nascimento?

Quantas vezes, em visita ao alojamento conjunto, me deparo escutando: aqui vocês tem o direito de ficar com seus filhos o tempo todo, mas o pais só entram no horário de visita e os irmãos não podem vir porque é norma do hospital. Na sala de parto, observo que o parto, momento de extrema tensão e importância para aquela família, nem sempre é conduzido como tal. Devemos lembrar que o que está acontecendo é um nascimento, importante e único para aquela mulher que, definitivamente está se tornando mãe. Não importa o tipo de parto, ele é único. Porque então, enchemos de regras e tiramos a confiança das mães em cuidar de seus filhos?. Como podemos garantir um direito que as mulheres não tomaram para si ainda, pois acham que o trabalho, a necessidade financeira, os outros filhos, a casa, o marido, a vida social,  tudo vem em primeiro lugar?.

Estar grávida altera a rotina de uma família, mas a grande modificação ocorre após o nascimento e, principalmente, se esta mulher estiver amamentando. A chegada do filho não é limitante, mas amamentar, educar, cuidar sim. Esse ato, segundo relatos, toma tempo, a mãe tem que ficar disponível para o bebê, o peito vai cair, a estética fala mais alto – (e pasmem, isto é importante em todas as classes sociais), tudo é mais importante que a saúde do bebê. As mães querem bebes quietos, para que possam dormir a noite, que não mamem muito para que o tempo seja para realizar as tarefas necessárias, que não fiquem doentes, ou se ficarem, que sarem logo, de preferência em 24 horas para que os planos não sejam atrapalhados.

Quando será que as mulheres, enfim, vão empunhar peitos para uma nova REVOLUÇÃO, onde ao invés de queimarem sutiãs em praça pública ou usarem pílulas, vão exigir horários de trabalho flexíveis para poder cuidar de seus filhos e amamentá-los. Quando vão dizer às pessoas que elas querem ser mães e também profissionais. Que elas querem ter direito a decidir o melhor para seus filhos, não deixando a alimentação e educação para outrem?.

Como vamos querer uma sociedade melhor, com pessoas respeitáveis e respeitadoras, saudáveis, se estamos alimentando uma sociedade baseada em “fast foods”, insegura, impaciente, consumista?.

Tudo hoje tem que ser rápido e em horários onde a mãe pode acompanhar a criança.

Entendo que as todas as mulheres – mães, avós, futuras mães, as que decidiram por não serem mães, enfim todas nós deveríamos fazer uma reflexão sobre quais direitos gostaríamos de conquistar.

Toda criança tem o direito de ser amada, alimentada, brincar e ser feliz. Toda mãe tem o direito de escolher o melhor para seu filho, começando no dia em que fica sabendo da gravidez. Pensem e busquem conhecimento real, reflitam, discutam com pessoas amigas, profissionais de saúde. Fortaleçam-se e sejam mães de corpo e alma.

 

 

 

 

 

Dra. Soraia Drago Menconi é Pediatra e Neonatologista

Rua Visconde do Rio Branco. 638/ Centro

Cep 13480-100/ Limeira SP

clinica@amamentar.com.br

www.amamentar.com.br

 


Última atualização: 9/6/2011

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital