Aleitamento.com
AmamentaçãoMãe CangurúCriançasCuidado PaternoHumanização do PartoBancos de Leite Humano Espiritualidade & Saúde DireitosProteçãoPromoçãoILCA / IBCLCConteúdo ExclusivoTV AleitamentoGaleria AMNotíciasEventosSites e BlogsLivrariaCampanhas
 
Faça seu login e utilize ferramentas exclusivas. Se esqueceu a senha, acesse o "cadastre-se" e preencha com seu e-mail.

\ Amamentação \ Cultura \ Artigo

ELIXIR que salva vidas é desprezado por muitas mães em todo o mundo

Por: Prof. Marcus Renato de Carvalho, IBCLC, UFRJ

 /

 

 

Um elixir* milagroso desprezado por muitas mães na Índia

 

 

(e no mundo todo)

 

 

Nicholas Kristof para o The New York Times de Lucknow (Índia) em 23/10/2015

 

*Elixir (do árabe Al-Ikseer) é um preparado farmacêutico com um ingrediente ativo que é dissolvido numa solução. Poção, uma bebida medicinal; nome atribuído a um remédio mitológico que curaria todos os males.

         E se houvesse um remédio capaz de salvar mais vidas de crianças nos países em desenvolvimento do que as perdidas para a malária e o HIV somadas? Uma substância milagrosa capaz de reduzir infecções no ouvido, além de aumentar os resultados dos testes de QI em vários pontos? Disponível até mesmo nos vilarejos mais remotos, sem necessidade de eletricidade ou refrigeração? Ah, e já que estamos sonhando, vamos torná-lo gratuito.

Essa substância milagrosa já existe. É o leite materno.

Estimativas atuais apoiadas pela OMS e Unicef são de que o aleitamento materno exclusivo (ideal) salvaria as vidas de 800 mil crianças por ano nos países em desenvolvimento. Isso representaria uma queda de 12% na mortalidade infantil, um ganho imenso.

Estou em minha campanha "ganhe uma viagem" anual, na qual levo um estudante comigo aos países em desenvolvimento para analisar questões negligenciadas. O estudante Austin Meyer, da Universidade de Stanford, e eu estamos na Índia, onde 1,2 milhão de crianças com menos de 5 anos morrem anualmente –e onde os nutricionistas dizem que melhores práticas de aleitamento materno poderiam salvar muitas.

Alimentação exclusiva no peito por seis meses, como é fortemente recomendado pela OMS, é praticada por apenas 46% das mulheres na Índia, 17% na Nigéria e 10% no Iêmen, segundo o mais recente Relatório Global de Nutrição. Nos Estados Unidos, o número é de cerca de 22%, segundo os Centros para Controle e Prevenção de Doenças.

No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, a Pesquisa de Prevalência de Aleitamento Materno, realizada em 2008, mostrou que entre as crianças menores de seis meses, apenas 41% tiveram o leite materno como alimento exclusivo.

Permita-me um esclarecimento preliminar: pode soar estranho os homens enaltecerem o aleitamento materno e há o risco de parecermos com ar de superioridade, já que não somos nós que fazemos o “trabalho”. E mais isto: às vezes a promoção da amamentação é acompanhada por um desafortunado quê de desaprovação às mulheres que não podem amamentar ou optam por não o fazer, o que pode ser constrangedor. Nos Estados Unidos, há tensão em torno dessas questões; um ensaio no "New York Times" recentemente alertava que os esforços de promoção podem ocasionar reações de mulheres que não conseguiram amamentar. É um alerta justo.

De qualquer forma, onde essa é uma questão de vida ou morte (não é no Ocidente), mas nos países em desenvolvimento, onde a água com frequência é contaminada e a mortalidade infantil é elevada, o debate tem que ser ampliado.

Crianças que não são amamentadas apresentam uma probabilidade 14 vezes maior de morrer do que aquelas que se alimentam exclusivamente no peito, segundo um grande estudo recém-publicado pela "Acta Paediatrica".

Aqui no norte da Índia, Austin e eu conhecemos uma mãe, Maher Bano, cuja filha tinha nascido em casa poucas horas antes. O bebê estava abaixo do peso e corria o risco de morrer. O melhor remédio nesse contexto é o leite materno: estudos na Índia, Nepal e Gana mostram que o aleitamento materno imediato reduz a mortalidade neonatal em 44%. Mas Maher Bano disse que pelas primeiras 24 horas, o bebê seria alimentado exclusivamente com chá e mel.

"Eu darei o peito ao bebê amanhã ou depois de amanhã", ela disse, explicando que estava seguindo a orientação da parteira tradicional que a ajudou no parto e cortou o cordão umbilical. Isso é comum: em todo o mundo, apenas 43% dos bebês são colocados no peito na primeira hora após o nascimento, como recomendado pela OMS – passo 4 da IHAC (Iniciativa Hospital Amigo da Criança).

Um motivo para o adiamento é a suspeita que o colostro não é importante, o primeiro leite amarelado, que não parece como leite, mas é repleto de nutrientes e anticorpos; ele às vezes é chamado de "primeira imunização”. Outro grande desafio: nos países quentes, os aldeões também dão com frequência água nos dias de muito calor, ou começam a lhes dar comida antes dos seis meses. A água que substitui o leite com frequência é contaminada. (O leite materno, em comparação, é seguro mesmo quando a mãe bebe água contaminada.)

As indústrias de leites infantis também são culpadas. Os fabricantes de fórmulas (leites de vaca modificados) para lactentes enfrentam estagnação do crescimento nos países ocidentais, então investem agressivamente nos países mais pobres. Os pesquisadores apontam que 85% das mães recém-saídas da maternidade em Phnom Penh, Camboja, viram propaganda de fórmulas.

Alguns também acreditam que a mídia ocidental sexualizou os seios, reduzindo o aleitamento materno.

Além dos benefícios claros da amamentação no salvamento de vidas, também há evidência de outros ganhos de saúde e cognitivos. Em Belarus, os filhos de mulheres escolhidas aleatoriamente para praticarem o aleitamento materno exclusivo obtiveram 6 pontos a mais nos testes de QI do que as crianças de controle.

Alguns poucos estudos não encontraram elo com capacidade cognitiva, mas a maioria sim. No geral, uma nova revisão de 17 estudos encontrou um ganho de 3 pontos no QI em crianças que foram alimentadas no peito.

Especialistas em saúde global se concentram no aleitamento materno em parte porque os esforços para apoiar as mães nessa área dão um retorno enorme. Um levantamento recente pela "Acta Paediatrica" de 130 estimativas apontou que a promoção do aleitamento materno aumentou em média a alimentação exclusiva no peito em impressionantes 44%. Esta viagem anual é uma chance de ressaltar soluções inteligentes para problemas globais. Às vezes as soluções são de alta tecnologia e caras, mas quase nada pode salvar tantas vidas de crianças a cada ano quanto o milagre da própria natureza: o leite materno.

Tradutor: George El Khouri Andolfato.

 

Revisão técnica, adendo e correções: Prof. Marcus Renato de Carvalho exclusivo para o aleitamento.com


Última atualização: 6/11/2015

 

Curtir

Comentários


Essa é uma área colaborativa, por isso, não nos responsabilizamos pelo conteúdo. Leia nossa Política de Moderação.
Caso ocorra alguma irregularidade, mande-nos uma mensagem.

 

Depoimentos

Gostou do site? Ele te auxiliou em algum momento? Deixe seu depoimento, assine nosso livro de visitas! Clique aqui.

Quem Somos | Serviços | Como Apoiar | Parceiros | Cadastre-se | Política de Privacidade/Cookie/Moderação | Fale Conosco
O nosso portal possui anúncios de terceiros. Não controlamos o conteúdo de tais anúncios e o nosso conteúdo editorial é livre de qualquer influência comercial.
Este site utiliza cookies para lhe proporcionar uma melhor experiência. Ao navegar no mesmo, está a consentir a sua utilização. Caso pretenda saber mais, consulte a nossa Política de Privacidade/Cookie.
24 Ano no ar ! On-line desde de 31 de julho de 1996 - Desenvolvido por FW2 Agência Digital